mãos-digitando-no-notebook

Como contratar o redator freelancer ideal para o seu projeto

Como contratar um redator freelancer? Essa é uma dúvida comum entre empresas e donos de sites que resolvem iniciar ou escalar a produção de conteúdo.

Embora eu trabalhe como redatora freelancer desde 2016, não se preocupe: o objetivo do artigo não é lhe convencer a me contratar!

Vou mostrar de forma resumida como encontrar um redator e o que avaliar antes da contratação.

Como contratar um redator freelancer?

Existem basicamente duas formas de contratar um redator freelancer: negociar e fechar o serviço diretamente com o profissional ou recorrer a plataformas de terceirização.

Contratação direta

Na contratação direta, o preço, prazos, fluxo de entrega, pagamentos e outras questões são combinadas entre o cliente e o redator, sem intermediários.

Uma das vantagens é não ter restrições na comunicação. Sendo assim, cliente e redator têm liberdade para tirar dúvidas e sugerir melhorias sempre que necessário.

Para aumentar a segurança de ambas as partes, o ideal é fazer um contrato ou termo de prestação de serviço.

Além da liberdade de comunicação, a contratação direta pode ser mais vantajosa do ponto de vista financeiro, para clientes e redatores.

Isso porque as plataformas de freelancers cobram taxas, o que acaba encarecendo o serviço.

Em plataformas que atuam como agências, sobre as quais falerei em outro tópico, apenas uma parte do valor pago é repassada ao redator (menos de 50%, em alguns casos).

Agora vem a pergunta: onde achar um redator para contratação direta?

Uma das formas é pesquisar no Google. Muitos redatores (como eu) têm um site profissional ou blog, por onde é possível entrar em contato e solicitar um orçamento.

Pesquise por, “contratar redator freelancer”, que vão aparecer vários resultados.

O LinkedIn (rede social profissional e fábrica de memes) também é uma ótima alternativa para encontrar freelancers de redação.

Basta digitar na barra de pesquisa do LinkedIn, “redator freelancer” ou “redator de conteúdo”, que aparecerão vários perfis para você analisar.

Plataformas

As plataformas de trabalhos freelancer atuam como intermediárias entre clientes e profissionais em projetos remotos.

As regras de funcionamento podem variar conforme a plataforma, porém, seguem dois modelos principais.

No primeiro, adotado por sites como Workana e 99 Freelas, o cliente publica um projeto e recebe propostas de vários profissionais.

Após escolher a proposta que melhor atende suas necessidades, o cliente faz o pagamento do serviço à plataforma.

O valor fica retido e só é passado ao redator após a finalização do serviço, que deve ser aprovado pelo cliente.

Nesse formato, o cliente pode negociar livremente as condições com o redator, porém, a comunicação tem algumas restrições, impostas pelas regras da plataforma.

Existe outro formato, no qual o cliente contrata a produção de conteúdo direto da plataforma, que funciona como uma agência.

Nesse sistema, o contratante não tem contato com o profissional de redação. Um exemplo de plataforma que utiliza esse modelo é a Marfin.

Sendo assim, a plataforma fica inteiramente responsável por encontrar o melhor profissional para o projeto, repassar o briefing ao redator e garantir a execução dentro do prazo.

Nesse modelo, o pagamento é igualmente feito à plataforma, no ato da contratação, e o redator só recebe após a conclusão do serviço.

O que avaliar antes de contratar um redator

Agora vou listar os principais fatores que devem ser analisados na escolha de um redator freelancer.

Experiência com o formato e nicho de conteúdo

Se a demanda é produzir artigos para o blog de uma empresa de cosméticos, o ideal é contratar um redator com experiência nesse formato (artigos SEO para blogs) e nicho (beleza).

Um jeito de avaliar a experiência do profissional é pedir seu portfólio de redator, que reúne amostras de trabalhos.

Pode ser que o projeto inclua a produção de conteúdo para mais de um canal (blog e newsletter, por exemplo). Sendo assim, é importante conferir se o profissional domina os diferentes formatos.

Capacidade de entrega/prazos

Verifique se o profissional tem disponibilidade para entregar o volume de conteúdo necessário, conforme o cronograma editorial do site/blog.

Se o projeto inclui um grande volume de textos, pode ser melhor contratar mais de um freelancer de redação.

Preço/emissão de nota fiscal

O preço também entra como critério de escolha de um redator, afinal, quase sempre existe um limite de orçamento.

Mas, nesse ponto, me sinto obrigada a avisar: o barato pode sair caro!

Produzir conteúdo é um serviço que exige pesquisa e dedicação, além de habilidades e conhecimentos específicos. Então, desconfie de preços muito baixos.

Vale ainda consultar se o profissional emite nota fiscal, antes de iniciar o projeto.

Dicas para acertar na escolha de um redator

Além da análise de portfólio, tenho duas dicas importantes para escolher um redator:

  1. Faça um teste remunerado;
  2. Faça uma reunião de alinhamento, antes de começar o projeto.

A primeira dica serve para ter uma visão mais realista da qualidade do trabalho do profissional e sua capacidade em cumprir prazos.

Afinal, os textos do portfólio podem ter passado por várias etapas de revisão e edição.

Então, se o projeto inclui a produção de oito artigos por mês, com entrega de dois artigos por semana, por exemplo, contrate apenas um artigo como teste, estipulando o prazo de entrega de dois ou três dias.

Depois do teste remunerado, sugiro fazer ainda uma reunião por videochamada.

Assim, você e o profissional podem alinhar expectativas e solucionar eventuais dúvidas, antes de fechar o contrato.

Quanto custa contratar um redator?

Os valores cobrados por redatores variam bastante, como expliquei no artigo sobre quanto ganha um redator de conteúdo.

Um método comum, usado principalmente para artigos de blog e e-books, é a precificação por palavra.

Nesse modelo, o número de palavras do texto é multiplicado pelo valor por palavra que o redator cobra.

Portanto, se um redator cobra R$ 0,15 (quinze centavos) por palavra, um texto de 1.000 palavras vai custar R$ 150.

Esse cálculo simples é utilizado para a redação a partir do briefing enviado pelo cliente.

Se o redator ficar responsável por planejar o conteúdo, pode ser cobrado um valor adicional.

Publicação dos artigos no blog e inserção de imagens, ainda que de bancos gratuitos, também podem ser considerados serviços adicionais.

Afinal, vale a pena contratar um redator freelancer?

Sim, vale a pena, desde que você escolha um profissional qualificado para o projeto. Lembrando novamente que o barato pode sair caro.

Sobre contratar diretamente o profissional ou usar plataformas, vejo a contratação direta como melhor escolha.

A relação direta evita ruídos na comunicação e facilita a integração do redator ao fluxo de produção da empresa ou site.

E, para ser bem sincera, muitos redatores só usam plataformas por falta de opção, já que os valores pagos em geral não são satisfatórios, fora as limitações de contato com os clientes.

Mas, entendo que alguns projetos envolvem um volume alto de produção. Nesse caso, a contratação por plataformas economiza tempo na seleção e gerenciamento dos profissionais.

1 comentário em “Como contratar o redator freelancer ideal para o seu projeto”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.