redator-freelancer

Redator freelancer: 5 motivos para não se tornar um!

Se você está pensando em se tornar um redator freelancer, aposto que já deve ter ouvido sobre as vantagens da carreira:

  • Não exige experiência nem formação específica.
  • Dá a liberdade de trabalhar de qualquer local e fazer seus próprios horários.
  • É um serviço com alta demanda no mercado.

Sim, trabalhar como redator tem todas essas vantagens, e pelo jeito muita gente já percebeu isso.

Tanto que hoje existem vários cursos e treinamentos (pagos e gratuitos) para quem deseja se tornar um produtor de conteúdo.

Como redatora, acho muito legal ver esse crescimento e profissionalização do mercado.

Por outro lado, tem algumas coisas que você precisa saber antes de decidir viver da escrita para web.

Sei que você não imagina que vai escrever na beira da praia (até porque isso arruinaria seu laptop).

Tampouco acha que vai ganhar rios de dinheiro trabalhando apenas uma ou duas horas por dia…

Mas, ainda assim, é interessante conhecer a visão de alguém que está há quatro anos nessa área e não quer vender nenhum curso.

Ser redator freelancer vale a pena? 5 fatos para você refletir

1. A concorrência é grande

Como mencionei, se tornar redator não exige uma formação específica, nem experiência.

Para começar é necessário apenas ter um computador conectado à internet.

Além disso, não é raro encontrar vídeos no YouTube e artigos que pintam a escrita para web como uma fonte de renda extra “fácil” e acessível a todos.

Logo, o número de “profissionais” cresce rapidamente. Coloquei entre aspas porque, obviamente, nem todo mundo que vende o serviço de escrita de textos tem as competências mínimas para isso.

A questão é que esse “inchaço” da oferta, somado aos preços ridículos que alguns freelancers cobram, acabam tornando a vida dos profissionais que querem viver da escrita difícil, especialmente no começo.

2. Existe uma banalização do trabalho de redator

Com um monte de gente “vendendo artigos” na internet, por preços que chegam a 2 centavos por palavra, como você acha que fica a percepção de valor por parte dos clientes?

É lógico que existem clientes que entendem o valor de um conteúdo bem produzido e por isso não colocam o preço como critério principal na hora de contratar.

Porém, existem aqueles que acham que o serviço é “fácil”, afinal, escrever qualquer um escreve. E diante da grande oferta de mão de obra barata, eles não têm porque mudar de ideia.

No fim das contas, quem se dá mal com essa banalização do trabalho de redator são os profissionais que se esforçam para oferecer um serviço de qualidade.

3. As plataformas podem ser frustrantes

As plataformas de trabalhos freelancer, como Workana e 99Freelas, facilitam bastante a vida de quem está começando como redator.

Isso porque elas permitem que você tenha acesso a dezenas de projetos de conteúdo todos os dias, com a garantia de que vai receber pelos trabalhos entregues.

Porém, nessas plataformas geralmente há um “ranking” dos profissionais.

Quanto mais projetos você conclui, melhor é a sua classificação e, portanto, maior a chance de ser contratado para novos projetos.

Mas, para o redator com poucas ou nenhuma avaliação no perfil, às vezes o único jeito de tornar uma proposta atraente é oferecer preços muitos baixos.

Logo, você pode levar um bom tempo até pegar seu primeiro projeto em uma plataforma.

Ou terá que trabalhar por preços aviltantes durante as primeiras semanas ou meses.

4. Conseguir (bons) clientes diretos leva tempo

O melhor jeito de não ficar refém das plataformas é investir na sua marca pessoal e conseguir clientes diretos.

Assim você pode estipular seus preços e condições sem a pressão de saber que 20 pessoas estão disputando o mesmo job.

Desse modo você ainda se livra do custo das comissões e planos de assinatura que algumas plataformas cobram.

Há diferentes estratégias para conseguir clientes de forma direta, como criar um blog para divulgar seus serviços ou publicar regularmente em canais como Linkedin e Medium.

O problema é que leva algum tempo até conseguir clientes diretos que reconheçam o valor do seu trabalho e estejam dispostos a pagar um preço justo por ele.

5. É preciso muito disciplina e organização para viver da escrita

Essa talvez seja a verdade mais difícil de encarar. Mesmo depois de consolidar seu nome no mercado e ter sempre demanda de bons trabalhos, não é fácil manter um rotina produtiva como escritor freelancer.

Você vai precisar de uma boa dose de organização e disciplina para manter suas entregas em dia, porque a flexibilidade de horários abre muitas brechas para a procrastinação.

Sem falar no temido “bloqueio criativo”, que pode arruinar a carreira de qualquer redator.

Dicas para alavancar sua carreira de redator

Até aqui, vimos que o caminho para conseguir viver exclusivamente da escrita de textos para sites e blogs, como eu vivo hoje em dia, nem sempre é fácil.

Minha intenção não é fazer ninguém desistir da profissão, pelo contrário!

Acredito que se você tiver uma visão realista do que pode encontrar pela frente, e mesmo assim achar que vale a pena, terá mais chances de se tornar um redator realizado e bem pago.

Também entendo que nem todo mundo que escreve para a web vê a atividade como uma profissão ou carreira propriamente dita, e sim uma fonte de renda extra.

Seja qual for o seu caso, vale a pena aplicar as dicas a seguir, pois elas lhe ajudarão a conseguir trabalhos melhores e, claro, a ganhar mais dinheiro.

Publique textos em seu nome

Como expliquei, publicar textos com atribuição de autoria é uma ótima estratégia para divulgar seu trabalho e captar clientes diretos.

Quanto mais você investir em conteúdo próprio (em termos de qualidade e não de quantidade), mais rápido vai ter resultados.

Estude escrita criativa, SEO, storytelling e copywriting

Conhecer e saber aplicar os princípios básicos de escrita criativa, SEO, storytelling e copywriting é essencial para crescer como redator web.

Portanto, vale a pena investir nesses conhecimentos se você pensa em seguir a carreira.

Mantenha uma rede de contatos

Para se manter atualizado e ter acesso a novas oportunidades, é importante se conectar a outros redatores e profissionais criativos em geral.

Linkedin, grupos no Facebook e no WhatsApp são bons locais para isso.

Aprenda a recusar trabalhos ruins

No começo você pode sentir a obrigação de aceitar todos os freelas que aparecerem, mesmo que sejam sobre temas com os quais você não tem a menor afinidade.

Mas, com o tempo, você tem que se permitir aceitar somente os jobs que achar que valem a pena (incluindo o quesito remuneração).

Sinceramente, meu objetivo com esse artigo não é “espantar” aspirantes a redatores.

Minha intenção é ajudar quem está chegando agora, com um visão realista do mercado.

Apesar dos problemas que citei, existe uma demanda gigantesca para redatores web bem qualificados.

Então, aproveite as dicas e siga em frente, se acha que viver da escrita para web é mesmo para você.

O artigo destruiu seus sonhos? Ou só fez aumentar sua vontade de ser um redator freelancer? Conta aí nos comentários!

10 comentários em “Redator freelancer: 5 motivos para não se tornar um!”

  1. Maria Gabriela

    Gostei muitíssimo do artigo, pois a transição de carreira está no meu horizonte. Por hora, estou estudando o máximo possível a fim de oferecer um serviço especializado.

    1. Olá Maria, esse investimento em qualificação vai fazer toda a diferença quando você começar a oferecer seus serviços como redatora. Sucesso e obrigada pela visita!

  2. Oi Giselli muito bem explicou o artigo.

    Mas não entendi uma coisa. Você tem um limite para se conectar na plataforma? E isso ?

  3. Ótimo texto, Gisele! Alguns dos percalços eu já pude experimentar no 99 e Workana. Em relação ao Medium, tu tens alguma dica específica de como melhorar o alcance das publicações?

  4. Angela Molezon

    Excelente contribuição para o início de uma longa jornada que devagar estou construindo com objetivo de reinventar e talvez entrar com tudo na transição de profissão! Gratidão!

  5. Beatriz Ferreira

    Oi Giselli, seu artigo não destruiu meus sonhos haha, mas trouxe uma boa visão sobre o mercado! Sou formada em Letras e pretendo viver como redatora web. Se Deus quiser e seguindo essas dicas, irei conseguir! Excelente texto! Abraço!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *