Workana vale a pena [2020]? Minha opinião após 157 projetos!

Vou confessar que quando descobri a plataforma Workana, em 2016, achei que era uma oportunidade incrível, pois me daria acesso a vários projetos todos os dias, sem nenhuma taxa de cadastro.

Com o tempo fui vendo que não era tão fácil conseguir trabalhos e que boa parte dos clientes colocava o preço como principal critério na hora de contratar.

Mesmo assim, segui em frente e fui “subindo de nível”, conforme realizava novos projetos e os clientes deixavam avaliações positivas no meu perfil, chegando a 168 projetos finalizados, com nota média 4,97 ( a máxima é 5).

Contei essa breve história apenas para deixar claro que conheço bem o funcionamento da Workana, embora não pegue mais projetos por lá (vou explicar o porquê no final do texto).

Minha intenção é ajudar quem está em dúvida sobre utilizar ou não a plataforma e dar dicas para aumentar as chances de conseguir projetos.

Como a Workana funciona?

A Workana é uma plataforma que conecta freelancers e clientes.

De um lado, os profissionais aproveitam a estrutura do site para ter acesso direto a potenciais clientes, com demanda constante de serviços.

Já os contratantes têm a facilidade de encontrar vários profissionais em um só lugar, de forma rápida e prática.

Outra vantagem é a segurança no quesito pagamentos: o freelancer tem certeza de que vai ser pago pelo trabalho e o cliente tem a garantia de que vai receber o serviço pelo qual pagou.

Ao publicar um projeto, o cliente descreve o que precisa ser feito e o prazo de entrega, podendo estabelecer um orçamento como referência.

Depois que o projeto é publicado, os freelancers interessados enviam suas propostas (ou seja, explicam como, em quanto tempo e por quanto vão realizar o projeto).

Ao aceitar uma proposta, o contratante já paga o valor do serviço à Workana.

Porém, o dinheiro só é repassado ao freelancer após o trabalho ser entregue e aprovado.

Quando um projeto é finalizado, o cliente deixa uma avaliação no perfil do freelancer e vice-versa.

Taxas da Workana

O cadastro na Workana é gratuito, porém, o site cobra uma comissão sobre cada projeto concluído pelo freelancer.

O valor da comissão é calculado sobre o preço da proposta, podendo variar de 5% até 20%.

Por exemplo, se você fechar um projeto por R$ 1.000, ao final vai receber R$ 800, pois o custo da comissão (de 20%) é R$ 200.

Mas, como adiantei, o valor da comissão pode baixar até 5%. Como isso funciona?

Ao trabalhar com o mesmo cliente em mais de um projeto, o valor da comissão diminui, tendo como base de cálculo o valor total recebido:

  • Primeiros USD 300: comissão de 20%.
  • De USD 300 até USD 3.000: comissão de 10%.
  • Acima de USD 3.000: comissão de 5%.

Os clientes também têm um “custo de serviço” sobre o valor da proposta, de 4,5%. Sendo assim, no exemplo acima o cliente vai pagar ao todo R$ 1.045.

Níveis de perfil

Os freelancers cadastrados na Workana são classificados em 6 níveis de perfil: Iron, Bronze, Silver, Gold, Platinum e Hero. A classificação é feita a partir dos seguintes fatores:

  • Ganhos totais (o total que o profissional recebeu em projetos na plataforma).
  • Ganhos recentes (dos últimos 3 meses).
  • Clientes satisfeitos (que deram 5 estrelas na avaliação).
  • Pontuação média (média das avaliações recebidas).
  • Violações.

Veja os benefícios por nível de perfil:

Iron

  • 2 conexões por semana.
  • 1 projeto em execução.

Bronze

  • 5 conexões por semana.
  • 1 projeto em execução.

Silver

  • 10 conexões por semana.
  • 2 projetos em execução.

Gold

  • 20 conexões por semana.
  • 3 projetos em execução.
  • Destaque nas pesquisas (na ferramenta da plataforma).
  • Possibilidade de receber convites para projetos.

Platinum

  • 40 conexões por semana.
  • 4 projetos em execução.
  • Demais benefícios do nível Gold.

Hero

  • 80 conexões por semana.
  • 5 projetos em execução.
  • Possibilidade de participar do programa “Freelancer Verificado”.
  • Destaque visual no perfil.
  • Demais benefícios dos níveis Platinum e Gold.

O que são conexões?

Qualquer interação de um freelancer com um cliente em um projeto aberto conta como conexão, não apenas o envio de propostas.

O que é preciso para subir de nível?

De Iron para Bronze: ganhos totais a partir de R$ 200 e 1 cliente safisfeito.

De Bronze para Silver: R$ 1.000 em ganhos totais; R$ 400 em ganhos recentes; 2 clientes satisfeitos; pontuação média acima de 3,5; nenhuma violação no perfil.

De Silver para Gold: R$ 2.000 em ganhos totais; R$ 1.000 em ganhos recentes; 4 clientes satisfeitos; pontuação média acima de 4; nenhuma violação no perfil.

De Gold para Platinum: R$ 4.000 em ganhos totais; R$ 2.000 em ganhos recentes; 7 clientes satisfeitos; pontuação média acima de 4,5; nenhuma violação no perfil.

De Platinum para Hero: R$ 10.000 em ganhos totais; R$ 4.000 em ganhos recentes; 10 clientes satisfeitos; pontuação média acima de 4,6; sem violações no perfil.

O que são violações?

Violação é uma penalidade que fica exposta no perfil do freelancer (ou do cliente). É atribuída pela Workana quando uma das partes não cumpre as condições de um projeto ou desrespeita as regras da plataforma.

Os motivos que podem levar um freelancer a receber uma violação incluem:

  • Descumprir o prazo de entrega.
  • Cancelar um projeto de forma unilateral, sem motivo (também vale para os clientes).
  • Não seguir o que foi especificado na descrição do projeto.

Aqui vai uma dica: se precisar cancelar um projeto em andamento, converse com o cliente e peça que ele deixe claro que foi um acordo. Caso contrário, você vai receber uma violação no seu perfil.

Vale a pena pagar um plano de assinatura?

A princípio, você só paga para usar a Workana quando fecha um projeto, por meio da comissão que é descontada.

Porém, para ter benefícios adicionais, é preciso contratar um plano de assinatura.

Veja a seguir as principais caraterísticas de cada plano de assinatura:

Plano Plus (R$ 19,90 por mês)

Benefícios:

  • 5 conexões adicionais (de acordo com o nível do perfil).
  • Saber quem foi o freelancer escolhido nos projetos em que se candidatou.
  • Saber se sua proposta foi lida.
  • Até 2 projetos em execução.
  • 2 saques por mês.
  • Receber chamadas de vídeo dos clientes.

Plano Professional (R$ 69,90)

Benefícios:

  • 15 conexões adicionais.
  • Saber o status das propostas dos concorrentes.
  • Até 5 projetos em execução.
  • 1 saque por semana.
  • Realizar e receber chamadas de vídeo dos clientes.

Plano Premium (R$ 99,90 por mês)

Benefícios:

  • 50 conexões adicionais.
  • Projetos em execução ilimitados.
  • Notificações sobre novos projetos por e-mail.
  • Demais benefícios dos planos Premium e Plus.

E se eu não pagar um plano de assinatura?

Se usar o plano gratuito, ou seja, não contratar um plano de assinatura, as condições de uso da Workana serão:

  • 2 conexões por semana (considerando que você esteja no primeiro nível de perfil, Iron).
  • Não poderá ver se o cliente leu sua proposta.
  • Sem direito a receber chamadas de vídeo dos clientes.
  • Somente 1 projeto em execução por vez.
  • 1 saque por mês.

Considere as vantagens dos planos de assinatura para decidir se vale a pena contratar um.

Lembrando que contratar um plano não garante que você vai conseguir projetos, principalmente se for um freelancer novato.

Sugiro que você use a plataforma durante algum tempo, até se familiarizar, para depois decidir se contrata ou não um plano.

Vantagens e desvantagens

Em um artigo sobre a realidade da carreira de redator freelancer, mencionei apenas os pontos negativos das plataformas. Mas, na verdade, existem vantagens e desvantagens em usar a Workana.

Vantagens

  • Acesso imediato a projetos. Você só precisa concluir o cadastro e já pode começar a enviar propostas.
  • Aprendizado. Além de ter a oportunidade de ganhar dinheiro com habilidades que ainda está desenvolvendo, na plataforma você aprende muito sobre como negociar e lidar com os clientes.

Desvantagens

  • Alta concorrência. Devido ao grande número de profissionais, os projetos costumam ser bem disputados.
  • Orçamentos absurdos. Muitos clientes enxergam a plataforma como um grande celeiro de mão de obra barata e acabam se beneficiando da concorrência entre os profissionais.
  • Perda de tempo. O envio de propostas (que muitas vezes nem são lidas) e respostas aos clientes pode consumir muito tempo, sem garantia de retorno.

Como aumentar suas chances de conseguir projetos

Pelo que vimos até aqui, você já tem elementos para avaliar se a Workana é uma boa opção. Agora vou passar algumas dicas para aumentar suas chances de conseguir projetos, baseadas na minha experiência.

1.Escreva uma boa apresentação no perfil

Inclua todas as informações que podem ser relevantes para um possível cliente no seu texto de apresentação, mas de forma objetiva e coesa.

Lembre-se de revisar depois, fazendo o exercício de se colocar no lugar do cliente ao avaliar sua apresentação.

2.Elabore propostas eficientes

Cumprimente o cliente e escreva o nome dele corretamente na proposta. Demonstre que você leu com atenção a descrição do projeto e explique como vai executar o serviço.

São dicas básicas, mas que vários profissionais não colocam em prática.

3.Tenha um portfólio

Incluir um link para o portfólio nas propostas da Workana permite que os clientes vejam amostras do seu trabalho. Também vale criar uma apresentação em PDF para enviar como anexo.

Você pode usar plataformas gratuitas como Contently, Behance e Journoportfolio ou mesmo o Google Drive para criar seu portfólio, dependendo da área em que atue.

4.Não desista facilmente

É provável que você tenha diversas propostas ignoradas e recusadas antes de conseguir o primeiro job.

Não deixe que isso afete sua autoestima e motivação.

Porque parei de usar a Workana

Os principais motivos que me levaram a parar de usar a Workana foram: a desvalorização dos serviços na área de produção de conteúdo e os custos de utilização da plataforma (considerando comissões e plano de assinatura).

Demorei para entender que é mais vantajoso investir na captação de clientes diretos, mas, aprendi a lição e hoje posso ajudar quem está começando.

Workana é confiável?

Sim, é confiável. Desde que você respeite as regras da plataforma, sempre receberá pelos trabalhos realizados. Lembrando que é fundamental alinhar expectativas com o cliente antes de fechar um projeto.

Do ponto de vista do cliente, o site garante o reembolso se o projeto não for entregue conforme o combinado.

Portanto, é preciso detalhar ao máximo o que deve ser feito e se certificar de que o profissional é qualificado para executar o serviço antes de aceitar uma proposta.

Afinal, vale a pena?

Até vale a pena, desde que você não se acomode e invista no seu próprio marketing fora da plataforma.

Também é importante valorizar seu trabalho e não entrar em “leilões”, tentando conquistar o cliente pelo menor preço. No começo você até pode cobrar valores mais baixos, porém, existe um limite entre a negociação e a exploração.

Espero de verdade ter ajudado a tirar suas dúvidas. Você já usou a Workana? Fique à vontade para contar o que achou nos comentários!

8 comentários em “Workana vale a pena [2020]? Minha opinião após 157 projetos!”

  1. Que texto excelente! Compartilho da mesma perspectiva. Ainda atuo por lá, mas muito menos do que antes exatamente pelos pontos negativos que você mencionou.

  2. Muito legal seu material. Sou cliente ativo há mais de 5 anos na workana e essa competição de preços é ruim para todos mesmo. O cliente novo que entra lá em busca de preço baixo acaba se ferrando, pois quem cobra muito barato entrega conteúdos semi copiados da internet, onde mudam apenas algumas palavras e invertem frases. Ai o site/blog não ranqueia no google nem a pau e não sabe o porque.

  3. Me formei em Jornalismo em 2017 e minha área de trabalho (Community Manager) não me permite criar textos e desenvolver um portfólio, e como gostaria de mudar minha área para criação de conteúdo, vejo essas plataformas como uma ajuda para criar um portfólio. Mas, como você mesmo falou, se você é novato, é muito difícil conseguir projetos, e é exatamente por isso que ainda não me decidi se crio uma conta ou não.

  4. Muito boas as informações! Pegou todos os pontos… Eu, infelizmente, hoje só consigo enxergar os pontos negativos.
    Pior é que sei que a culpa não é da plataforma, que assim como a 99 são ideias ótimas de serviços para freelas em geral. Mas as pessoas que lá estão, tanto os profissionais quanto os clientes, é que ferram as plataformas com os leilões.

    Parabéns pelo conteúdo…

    E eu falo um cadin sobre essa questão também nesse artigo aqui: https://rafinhasoares.com.br/devo-pagar-plataformas-para-conseguir-trabalhos-como-redator-freelancer/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *